Dicas de Presentes para o Dia dos Pais

Dia dos pais está chegando e presente pra homem é sempre mais difícil, né? Nem sempre a gente consegue fugir do obvio. Mas então porque não pegar um tempinho com as crianças e fazer um presente bem legal pro papai? Separei aqui algumas ideias não tão complicadas e que as crianças podem ajudar a dar aquele toque especial.

Continue lendo

Desmistificando a amamentação

Toda grávida tem intenção de amamentar o seu bebê independente do tempo. Mas nem sempre as coisas são assim tão simples. Por isso escrevi este post pensando em desmistificar algumas informações.

  1. É fácil: aquela ilusão de que o bebê vai nascer e já vai direto pro peito, mamando volumosamente não existe. Existe um tempo até mãe e bebê se entenderem e o negócio fluir bem.
  2. É natural: outra ilusão. É importante se informar bastante sobre como o bebê deve fazer a pega, tempo de mamada, como alternar entre os seios, tipos de leite (sim, tem o leite de início que hidrata mais e o de fundo que é mais substancioso).
  3. O bebê mama de 3 em 3 horas: Hoje já está provado que a melhor maneira de ser bem sucedida na amamentação é a livre demanda. Dar o peito sempre que o bebê pedir, seja de 15 em 15 minutos, seja de 3 em 3 horas. Isso acontece mais no início e depois de alguns dias é comum o bebê ajustar esse período e criar uma rotina.
  4. Não pode ser feito em qualquer lugar: Por que não? Na verdade o início que é mais complicado o ideal é que seja na tranquilidade do lar, na cadeira de amamentação. Mas depois com o dia a dia, se o bebê chorar, vai ser no carro, no shopping, no restaurante, onde precisar.
  5. Algumas mães tem leite fraco: isso também já foi desmistificado. Alguns fatores como falta de estimulo de sucção ou psicológicos mesmo podem afetar a produção de leite e a quantidade não ser suficiente para alimentar o bebê. A introdução prematura do leite artificial também pode atrapalhar, mas cada caso é um caso e existem consultoras de amamentação, pediatras e bancos de leite que podem auxiliar nesta fase.
  6. O leite adaptado é igual ao leite materno: infelizmente a indústria ainda não conseguiu chegar nesta perfeição. O leite adaptado tem nutrientes capazes de alimentar o bebê mas não tem os anticorpos que a mãe passa para o filho através do leite. Por isso, vale insistir na amamentação.
  7. Depois da introdução alimentar o leite materno fica fraco de nutrientes: Não é verdade. A indicação da Sociedade Brasileira de Pediatria é de que se amamente pelo menos até os dois anos, mesmo após a introdução alimentar. E temos casos muito bem sucedidos de amamentação prolongada.
  8. Se o bebê usar chupeta ou mamadeira pode não querer mais o peito: eu vejo cada vez menos isso acontecendo. Hoje em dia a tecnologia das chupetas e mamadeiras evoluiu tanto que eles criaram mamadeiras que imitam muito bem o seio materno. Eu fui um caso que mantive uma amamentação mista por um ano e nunca tive problemas. É importante tomar cuidado e procurar orientação.
  9. Meio seio vai ficar machucado: Na verdade, se o bebê fizer a pega correta, aquela com a boca bem aberta, é difícil que você se machuque. Mas se o bebê pegar só o bico do seio, aí pode ser que aconteça.
  10. Tenho que preparar meu seio desde a gravidez: Na verdade muito melhor do que passar esponja, lanolina, muito melhor é a informação e a orientação. Como eu disse em cima, se a pega for feita corretamente, dificilmente o seio ficará machucado o que faz com que não seja muito util fazer o desgaste. Na minha opinião, o ideal é conversar com uma consultora e ler bastante.
  11. É fácil fazer o desmame: não é fácil nem pra mãe nem pro bebê. O ideal é que aconteça da maneira mais natural possível.
  12. Amamentar é cansativo: Muito! Primeiro é aquela sensação que você não consegue fazer nada sem o bebê porque ele pode chorar a qualquer hora. Depois as mamadas noturnas, que são as piores (eu sempre me sentia um zumbi) e depois é todo o tempo que você destina para aquela atividade que é super solitária.
  13. Você sempre sabe quando o bebê está satisfeito: Ahhh, seria tão bom se tivesse um medidor de quantidade que nem tem na mamadeira. Mas não. Primeiro você não sabe se o bebê tá mamando, se tá chupetando, se tá dormindo. Depois não sabe quanto ele já mamou. Tem uma ideia porque o peito tende a “desencher”, mas não é algo tão simples assim. Só com o tempo e experiência.
  14. A amamentação tem muitos benefícios: Verdade! Não só os benefícios do leite materno, mas o movimento que o bebê faz na sucção ajuda do desenvolvimento da fala, da dentição, evita problemas respiratórios, etc

Resumindo: não é fácil, toma tempo mas vale muito a pena!

Ideias de lembrancinhas para festa infantil

Todo ano é a mesma coisa…. além de pensar em milhões de detalhes para a festa do seu filho / filha, você ainda tem que pensar em algo super criativo para dar de lembrancinha na festa.

Foi-se o tempo em que as crianças ficavam felizes com aquela caixinha de papelão com doces e brinquedinhos. Não que elas não fiquem mais, mas a verdade é que as lembrancinhas passaram a ser cada vez mais bem elaboradas, ter ligação com o tema da festa e também pensar em dar algo útil para o convidado (a).

Continue lendo

Tudo sobre a Bronquiolite

Eu sempre me lembro da primeira vez que o Mateus teve uma doença mais grave com febre e um resfriado forte e o pediatra deu o diagnóstico da bronquiolite. Naquela época nunca tinha ouvido falar da doença e fiquei bem preocupada. Mas fizemos o tratamento recomendado e logo o Mateus se recuperou.

Depois disso ouvi até algumas mães comentando sobre internação de bebês muito novinhos com a mesma doença, mas afinal o que é realmente a bronquiolite?

A bronquiolite é uma inflamação dos bronquíolos que são pequenas passagens de ar que existem no pulmão. Os sintomas são muito parecidos com os de um resfriado mas em bebês menores de 6 meses pode ser uma doença grave e precisa de cuidado.

A bronquiolite é causada por alguns tipos de vírus, entre eles os vírus do resfriado comum como o influenza e o rinovirus.

Os sintomas são, como eu disse, parecidos com o resfriado comum – nariz escorrendo, febre baixa e tosse que podem se agravar para chiados e dificuldade de respirar.

O tratamento deve ser recomendado pelo pediatra, mas é próximo aos do resfriado – muita água para hidratação, repouso, lavar o nariz com soro fisiológico e fazer inalações com soro também ajudam.

Não dê anti-gripais ou outros remédios sem recomendação médica pois estes podem mascarar a real situação e evitar o tratamento correto da doença.