Tudo sobre a Bronquiolite

Eu sempre me lembro da primeira vez que o Mateus teve uma doença mais grave com febre e um resfriado forte e o pediatra deu o diagnóstico da bronquiolite. Naquela época nunca tinha ouvido falar da doença e fiquei bem preocupada. Mas fizemos o tratamento recomendado e logo o Mateus se recuperou.

Depois disso ouvi até algumas mães comentando sobre internação de bebês muito novinhos com a mesma doença, mas afinal o que é realmente a bronquiolite?

A bronquiolite é uma inflamação dos bronquíolos que são pequenas passagens de ar que existem no pulmão. Os sintomas são muito parecidos com os de um resfriado mas em bebês menores de 6 meses pode ser uma doença grave e precisa de cuidado.

A bronquiolite é causada por alguns tipos de vírus, entre eles os vírus do resfriado comum como o influenza e o rinovirus.

Os sintomas são, como eu disse, parecidos com o resfriado comum – nariz escorrendo, febre baixa e tosse que podem se agravar para chiados e dificuldade de respirar.

O tratamento deve ser recomendado pelo pediatra, mas é próximo aos do resfriado – muita água para hidratação, repouso, lavar o nariz com soro fisiológico e fazer inalações com soro também ajudam.

Não dê anti-gripais ou outros remédios sem recomendação médica pois estes podem mascarar a real situação e evitar o tratamento correto da doença.

Os exames feitos durante o pré-natal

Eu lembro que durante o pré-natal do Mateus cada exame era uma expectativa enorme, especialmente os ultrassons. A gente quer ver se o bebê está bem e se a gravidez está correndo normalmente e se o bebê está crescendo e se desenvolvendo bem.

Mas além dos ultrassons existem outros exames normais de serem feitos durante o pré-natal  e alguns que a obstetra pode pedir para investigar algum caso particular. Primeiramente vou listar os exames básicos de uma gravidez sem complicações:

Continue lendo

Até quando esterilizar os objetos do bebê

Bom, se tem uma coisa que eu o-de-io é lavar e esterilizar mamadeiras. O Mateus mama muito, sempre mamou e desde que ele era pequenininho, como tive problemas na amamentação e consegui fazer uma amamentação mista até um aninho, elas me perseguem.

Aí é aquele negócio…no começo a gente toma o maior cuidado esteriliza tudo, ferve chupeta se cai no chão, não deixa nada minimamente diferente encostar nas coisas que o bebê vai colocar na boca, até que a neurose começa a perder pro cansaço e aí numa emergência a gente limpa a chupeta na nossa roupa mesmo e devolve na boca do bebê.

Mas de fato é importante ter o mínimo de cuidado com o recém-nascido e esterilizar sempre seus pertences. Isso porque o bebê ainda não tem a imunidade formada e as bactérias, vírus e germes estão por aí. Por isso também o cuidado de não levar o bebê em locais com grande aglomeração de pessoas até ele ter tomado todas as vacinas.

Quanto a esterilização de chupetas, mamadeiras e copinhos, a orientação pelo que pesquisei é esterilizar diariamente até os seis meses. Depois desta fase você pode esterilizar semanalmente pois vai perceber que o contato com os germes será inevitável, já que o bebê coloca a mão no chão e coloca na boca, fora os outros objetos. Se você for esterilizar tudo que o bebê coloca na boa vai ter que esterilizar tudo.

Eu esterilizei as coisas do Mateus até os dois anos. A partir de agora dou uma lavadinha e esterilizo quando acho que o copinho com alguma sujeira diferente, difícil de tirar com a escova. às vezes também coloco de molho na água quente ao invés de esterilizar, o que acho melhor dependendo da sujeira.

Acredito que o bom senso é importante neste caso. Por exemplo…se compro uma chupeta ou copinho novo eu me sinto mais segura de esterilizar antes dele usar. Mesmo agora. Mas vai de cada uma, não é mesmo?

E você? Ainda esteriliza as coisinhas do bebê? Conte pra gente!

Como montar um kit de emergência para o carro

Confesso pra vocês que este assunto é novidade pra mim. Eu nunca tinha pensado em deixar um kit de emergência no carro, mas hoje isso me parece tão óbvio. Eu sempre carreguei pra baixo e pra cima sacolas e mais sacolas com as coisas do Mateus e como a sacola você mexe e remexe, foram muitas vezes que eu acabei esquecendo uma coisa ou outra e passando necessidade em alguma saída.

Mas como com bebês a questão de sempres estar preparado nunca é demais, achei a ideia muito boa. Afinal de contas, além de esquecer alguma coisa na sacola, sempre tem aquela saidinha que você achou que não ia precisar de nada (eram só 15 minutos) mas que tudo pode acontecer. O bebê pode fazer aquele cocô monstruoso, ele pode ficar irritado e querer a chupeta ou ainda pode derrubar aquele copo de suco gigante do restaurante em cima dele, ou pior, de você.

Mesmo que você deixe o kit no carro, dá pra ir buscar quando a emergência acontecer, né? Mas o que é legal ter neste kit?

  • Duas trocas de roupa para o bebê – como a ideia é ficar com o kit por tempo indeterminado no carro, prepare uma troca de verão e uma de inverno;
  • Deixe pelo menos uma blusa para você também para emergências;
  • Brinquedinho / Livrinho;
  • Chupeta;
  • Fraldas;
  • Pomada;
  • Lenço umedecido;
  • Álcool Gel;
  • Forro para trocador (que neste caso, como só será usado em emergências pode ser uma fralda grande);

Se você mora em cidades com muito trânsito, seria interessante deixar também uma mamadeira de emergência e um lanchinho como umas bolachinhas. Só tome cuidado se deixar o carro muito no sol, o que pode estragar as coisas.

E você, o que achou desta ideia?