Dica de livro para o desfralde

Estamos iniciando (bem lentamente ainda e sem muita pressão) o processo de desfralde do Mateus. Eu quis esperar ele falar mais pra começar a conversar com ele sobre cocô, xixi, fralda, pinico e esta semana já conseguimos uma grande vitória – ela já está avisando quando faz cocô.

Para ajudar neste processo eu procurei um livro de história para tratar do assunto de forma mais lúdica e mais ilustrada (rs) e achei um livro muito legal que queria compartilhar aqui com vocês.

Chama-se “O que tem dentro da sua fralda?” e conta a história de um ratinho super curioso que fica pedindo pra olhar dentro da fralda de vários bichos – vaca, cachorro, porquinho e vê os diferentes cocôs de cada um. No final, todos os bichinhos pedem pra ver a fralda do ratinho e veem que não tem nada. Aí o ratinho explica que a fralda dele não tem nada porque ele já faz cocô no penico. No final todos os bichinhos passam a fazer cocô no penico também.

O livrinho tem abas e a criança que abra as fraldas dos bichinhos e vê o cocô de cada um, portanto é interativo e a história e as ilustrações são uma graça. Já li hoje para o Mateus e ele adorou. Me pediu pra ler várias vezes.

Livro: “O que tem dentro da sua fralda” Autor: Guido Van Genechten Editora : Brinque – Book

E você? O que usou ou está usando pra fazer o desfralde do seu bebê? Conte aqui pra gente…

Porque eu odeio os Terrible Two

not-happy-1515497-1279x957

Se você ainda não passou pela ma-ra-vi-lho-sa fase dos dois aos três anos de idade com certeza você já ouviu falar dos Terrible Two ou a adolescência da infância. Acreditem, o negócio é tão ruim quanto parece e eu chego a acreditar que não tem como a adolescência de verdade ser tão ruim. Se ainda não aconteceu na sua casa, aguarde mais um pouquinho. Acontece nas melhores famílias e a única forma de lidar é com muita, mas muita paciência.

Continue lendo

Porque não devemos deixar nossos filhos sozinhos no carro ao pagar pelo combustível

Fonte: Freepik

Fonte: Freepik

Pois é…estava lendo esta matéria hoje em um blog australiano e achei que era um assunto importante de mencionar aqui no blog. Confesso que algumas vezes na pressa tenho vontade de deixar o Mateus no carro, seja para pagar o combustível, seja para pegar alguma coisa na farmácia na pressa, mas nunca tive coragem. A situação ainda fica pior naqueles postos que você tem que pagar na loja de conveniência.

Mas exatamente quais são os riscos?

  • Aquecimento do carro durante o abastecimento;
  • Crianças e bebês podem ficar nervosos em questão de minutos e você não vai ver;
  • Criança pode soltar o freio de mão;
  • Aumento dos riscos de fogo e explosão;
  • Se acontecer algo com  carro pode ser mais difícil de resgatar a criança presa na cadeirinha.

E aqui algumas dicas de planejamento que podem auxiliar:

  • Planeje-se na hora de abastecer o veículo;
  • Veja se um dos pais não pode abastecer o carro à noite enquanto o outro coloca as crianças para dormir.
  • Não deixe as chaves no carro quando for pagar;
  • Escolha a bomba de gasolina mais próxima ao local do pagamento;
  • Opte por postos de gasolina que levem a máquina de cartão até o carro;

Com crianças pequenas, todo cuidado é pouco!

17 Critérios para escolher a escola do bebê / criança

student-1-1259431

Minha ideia era colocar o Mateus em uma escola quando ele fizesse dois anos (segundo semestre de 2016), porém algumas mudanças inesperadas aconteceram e pode ser que eu tenha que antecipar um pouco isso. De qualquer maneira, estou pesquisando e visitando algumas escolas aqui na minha cidade, Jundiaí. Tem tanta coisa pra se levar em consideração na hora de decidir por uma escola! Estou quase ficando doida! Então achei que poderia ajudar outras mães nesta decisão, fazendo uma listinha de critérios.

Continue lendo

Como evitar birras

child-652552_1280

Esta semana estava no shopping fazendo as compras de Natal e resolvi levar o Mateus na área de crianças de uma livraria enquanto meu marido procurava um livro. Ele ficou encantado com tudo, mas grudou em um livrinho que vinha com um carrinho e aí foi aquela cena típica – choradeira na hora que devolvi o livrinho na prateleira.

Continue lendo